Você está aqui: Página Inicial > Comunicação Social > Notícias > 2019 > 04 > 2019 > 04 > TRT debate papel da mulher na sociedade

Notícias

TRT debate papel da mulher na sociedade

Conversa teve a presença de senadora, desembargadora, juíza e empreendedora

Ações do documento

O papel da mulher na sociedade atual foi o assunto de um debate promovido pelo Tribunal do Trabalho da paraíba (13ª Região), por meio da Secretaria de Gestão de Pessoas (Segepe), que aconteceu nesta sexta-feira (12), no auditório do Tribunal Pleno. O evento teve a presença maciça de magistrados e servidores. O centro da discussão, mediado pela ex-presidente do TRT13, desembargadora Ana Madruga, foi o empoderamento feminino: um universo em ação, que contou com as presenças da senadora Daniella Ribeiro, da juíza Herminegilda Machado e da empresária Cristina Heim.

A desembargadora Ana Maria Madruga e o também ex-presidente do Regional, desembargador Edvaldo de Andrade receberam os palestrantes. O evento foi realizado em alusão ao Dia da Mulher e, para a desembargadora Ana Madruga, as mulheres têm muito o que comemorar. “Ao longo dos anos somamos conquistas, ganhamos liberdade de expressão, de escolhas e de profissão”, disse, destacando que a mulher nunca quis entrar em guerra com os homens, quer ser parceira e ocupar o lugar que pertence a ela, sem competição.

De acordo com a magistrada, a maternidade é a maior fonte de satisfação de uma mulher. “Os filhos são a nossa glória suprema”, destacou, lembrando que a mulher abdica de muita coisa para viver a maternidade, abrindo mão de cargos altos, ascensão profissional e até renda extra em prol da família. Concluiu dizendo que as mulheres devem agradecer a Deus por tudo que conquistaram, mas sem desperdiçar os momentos preciosos da vida. “A felicidade é uma construção diária e eu procuro viver a minha vida da melhor maneira possível”, finalizou.

Há muito o que se fazer ainda

A juíza Herminegilda Machado afirmou que ainda há muito o que se mudar. “A luta pela igualdade, pelo reconhecimento da mulher, enquanto sujeito de direito e a se respeitar com suas diferenças, começou, de acordo com os registros históricos, no final dos anos de 1700, Hoje ainda vemos mulheres sendo assassinadas apenas pela condição de ser mulher. Tudo o que foi feito até agora, diante de todo um contexto histórico, foi de opressão à mulher, que sempre foi tratada como uma coisa para a história e para a arte. Ainda há muito o que se fazer”, enfatizou.

Fim da Justiça do Trabalho é assunto passado

Uma das convidadas para falar sobre o papel da mulher na política foi a senadora Daniella Ribeiro. Antes do debate, em entrevista, fez uma revelação sobre os boatos de extinção da Justiça do Trabalho: “Essa é uma discussão já superada. Pelo menos em Brasília, hoje, posso dizer que o assunto não existe. Não há mais o que se discutir pela importância que a Justiça do Trabalho tem para o país. É assunto superado”.

Na palestra, a parlamentar parabenizou a iniciativa do Tribunal em compreender a necessidade de se discutir e pautar um assunto de tão grande relevância. Feliz pelo convite, Daniella Ribeiro fez críticas às pessoas que acreditam que falar de empoderamento feminino signifique tomar o poder da alguém. “Na verdade se trata da mulher reconhecer o poder que a mulher tem e utilizá-lo para o caminho que desejar porque tem capacidade para tal. É uma discussão extremamente rica até para que se faça uma reflexão sobre determinados comportamentos, frutos de uma cultura machista”.

Mundo aberto a quem tem coragem

A empreendedora Cristina Heim agradeceu pelo convite em representar às mulheres empreendedoras e, junto com a senadora Daniella Ribeiro representando a mulher na política, e as magistradas Ana Madruga e Herminegilda Machado, mostrando a importância da mulher ocupar seu espaço também numa instituição como é o Tribunal do Trabalho. “Tudo isso reforça a ideia de que a mulher pode ocupar qualquer área da vida. O mundo está aberto a que tem coragem e segue em busca dos seus sonhos”.

Por Satva Costa

12/04/2019