Você está aqui: Página Inicial > Comunicação Social > Notícias > 2007 > 03 > Leilão rende mais de R$ 5 milhões

Leilão rende mais de R$ 5 milhões

Balanço revela que 171 processos tiveram os bens arrematados

Ações do documento

O balanço do primeiro mega leilão do ano do Tribunal Regional do Trabalho que aconteceu nesta terça e quarta-feira, no auditório do Fórum Maximiano Figueiredo, no Empresarial João Medeiros, resultou na arrecadação de R$ 5 milhões 754 mil 942. O valor equivale a arrematação ou acordo de bens móveis e imóveis que entraram na pauta de penhor do Projeto Arrematar. Ao todo foram a leilão 274 processos além de 60 retirados por pagamento ou acordo. 171 processos tiveram os bens arrematados. Segundo avaliação da juíza coordenadora da Central de Mandados do TRT, Ana Paula cabral Campos, 84% dos processos foram solucionados. “Tivemos um resultado muito bom.”

No primeiro dia do leilão setenta e cinco processos foram retirados da pauta devido a negociação. Um dos bens mais valorizados, o prédio da concessionária Faça Fiat, foi retirado do leilão em cima da hora e feito o pagamento da dívida no valor de R$35 mil. Outra área bastante valorizada, localizada na praia do Seixas e pertencente ao Camping Club do Brasil, avaliada em R$900 mil, foi arrematada por R$640mil. Alguns imóveis foram vendidos por preço até mesmo acima da arrematação feita pelo TRT. Foi o caso do prédio do Instituto de Psiquiatria da Paraíba, localizado na Praça Simeão Leal, avaliado em R$ 350mil e vendido por R$380mil.

O auditório do Fórum Maximiano Figueiredo ficou pequeno para o número de participantes do mega leilão que começou às 10h00 e seguiu a ordem do edital publicado. O processo foi tão ágil que terminou antes do prazo previsto, sendo conluido no início da tarde desta quarta-feira.A juíza presidente do TRT Ana Clara Nóbrega ressaltou que o Projeto Arrematar efetiva o trabalho da Justiça. “ Não adianta o trabalhador ganhar a causa e não receber. Através do leilão a Justiça se faz de verdade”.

A juíza Ana Paula Cabral Campos, coordenadora da Central de Mandados, esclareceu as principais dúvidas dos candidatos a arrematantes. Qualquer pessoa estava apta a participar do leilão, salvo os servidores da Justiça. No local foi feito um cadastramento com os documentos pessoais. Os arrematantes puderam dividir o pagamento dos bens imóveis e os bens móveis tiveram o pagamento à vista. O lance mínimo para arrematação de bens móveis foi de 20% do valor da avaliação. No caso de bens imóveis o lance mínimo foi de 40%. A agência da Caixa Econômica Federal localizada no Shopping Tambiá esteve de plantão exclusivo para o recebimento das guias com o sinal dos arrematantes. Após a arrematação ainda existe o prazo de cinco dias para recurso previsto na lei. Os arrematantes também arcam com as despesas do leiloeiro que terá comissão de 5% sobre o valor da arrematação.

A juíza Ana Paula Cabral Campos ressalta que a quantia paga pelo arrematante será devolvida caso haja recurso e seja deferido pelo TRT, ou se o bem não estiver nas condições descritas no edital. A devolução será feita com a correção monetária do valor depositado pelo arrematante, já que a quantia depositada fica numa conta judicial.