Você está aqui: Página Inicial > Comunicação Social > Notícias > 2008 > 05 > Projeto Conciliar: estimaitva inicial já chega a R$ 4 milhões

Projeto Conciliar: estimaitva inicial já chega a R$ 4 milhões

Ações do documento

Um levantamento preliminar mostra que o volume de negociações do Projeto Conciliar, versão 2008 já ultrapassa os R$ 4 milhões. Ontem, durante todo o dia a Justiça do Trabalho da Paraíba funcionou voltada exclusivamente para a realização de audiências de conciliação de processos. Foi o dia "D" do Projeto Conciliar que está em sua quarta edição e busca o entendimento em qualquer fase do processo. Ainda hoje o TRT vai divulgar os números de todas as Varas do Trabalho e unidades onde aconteceram conciliações.

No início da manhã, a presidente do TRT, juíza Ana Clara Nóbrega fez a abertura do Projeto no Fórum Maximiano Figueiredo, em João Pessoa e às 11h esteve no Fórum Irenêo Jofilly, em Campina Grande para acompanhar o andamento dos trabalhos.

O presidente do TRT de Goiás, juiz Elvécio Moura dos Santos, acompanhou a realização do projeto. "Estou aqui buscar essa experiência da Paraíba que deu certo e serviu de modelo o país", disse, afirmando que vai adotar a seqüência do Conciliar que é o Projeto Arrematar, o mega-leilão para venda de bens e o conseqüente pagamento de dívidas trabalhistas. O juiz Elvécio Moura se mostrou entusiasmado com a forma que o Projeto foi conduzido e revelou: "A Paraíba está muito à frente na cultura da conciliação. Estou impressionado com a facilidade e a disposição das partes de fazerem acordo", revelou.

Na capital

Em João Pessoa muitos advogados comemoravam os acordos realizados. Para o jurista Antônio Carlos Simões Ferreira o Conciliar é a melhor forma de resolver os conflitos. Só no início da manhã conseguiu conciliar 4 processos. O advogado Eliseu Dantas também se mostrava satisfeito com as duas conciliações que conseguiu fazer pela manhã.

Fatos inusitados

Na Central de Mandados de João Pessoa um fato chamou a atenção dos juízes e servidores. Uma empresa que operou na Paraíba não foi localizada. Os oficiais de Justiça localizaram uma representação em São Paulo. Foi feito um contato, a empresa decidiu negociar e fechou um acordo via fax. "Foi um exemplo que mostrou a força do Projeto conciliar", comemorou a juíza Ana Paula Cabral Campos.

Em Campina Grande um acordo quase deixava de ser feito por causa de apenas R$ 60,00. O juiz David Coqueiro dos Santos interveio e convenceu a parte a abrir mão de um valor tão pequeno, lembrando a importância não apenas da conciliação, mas do resultado, que é o final de um processo.

Campina Grande

Em Campina Grande, a grande novidade foi a negociação das dívidas trabalhistas na área esportiva. O juiz Normando Salomão Leitão intermediou acordos entre o Campinense Clube e ex-atletas e ex-funcionários. os assessores jurídicos do Campinense conseguiram negociar 12 processos trabalhistas que juntos somaram mais de R$ 40 mil. De acordo com o diretor do Clube, Ronaldo Amaral, o Conciliar é a saída para as empresas saldarem suas dívidas. Ele revelou que uma das dívidas do Campinense chegava a 47 mil e o acordo foi fechado em 7.800.







Já o advogado Ronaldo Medeiros disse que o Projeto foi uma das melhores saídas já apresentadas pela Justiça do Trabalho. Somente na manhã desta quinta-feira ele fez 15 acordos em Campina Grande. Ontem, o mesmo advogado antecipou as negociações nas Varas do Trabalho de Cajazeiras e Sousa.

O Conciliar aconteceu em todo o Estado e levou milhares de pessoas às Varas do Trabalho e à sede do TRT. Na abertura, no Fórum de João Pessoa, além dos juízes e servidores, estiveram presentes o presidente da Amatra 13, juiz André Machado, o presidente da OAB-PB, José Mário Porto e o superintendente regional da Caixa Econômica Federal, Jorge Gurgel.

Santa Rita

A chefe de gabinete do TRT, Marylad Medeiros da Silva visitou no final da manhã de ontem a Vara do Trabalho de Santa Rita, onde aconteciam audiências de conciliação. De acordo com o juiz Arthur Silva Torres, o movimento foi grande durante o período da manhã, quando muitas acordos foram celebrados.

Outras audiências estavam agendadas para o período da tarde e seriam conduzidas pelo diretor de Secretaria Juarez Luiz Manfrin e demais servidores da unidade. Segundo Juarez Manfrin, só no período da manhã, 30% das 136 audiências agendadas para o dia já haviam sido conciliadas. Para a sexta-feira, dia do encerramento do Conciliar, 96 processos constavam na pauta de audiências.