Você está aqui: Página Inicial > Comunicação Social > Notícias > 2008 > 11 > Clube Cabo Branco está, mais uma vez, no leilão do TRT

Clube Cabo Branco está, mais uma vez, no leilão do TRT

Pela primeira vez o leilão irá acontecer via internet

Ações do documento

publicado: 10/11/2008 14h04 última modificação: 30/09/2016 10h19

O TRT da Paraíba realiza nos próximos dias 25 e 26, no auditório do Fórum Maximiano Figueiredo, em João Pessoa, o último mega-leilão do ano dentro do Projeto Arrematar. O objetivo é o arremate de bens de 356 processos para o pagamento de dívidas trabalhistas.

Na lista do edital do leilão está a fábrica de calçados e bolsas Sueldo’s, avaliada em R$ 4 milhões. O Esporte Clube Cabo Branco volta ao leilão e está avaliado em R$ 6 milhões. Já esteve na lista para ser leiloado pelo TRT na última edição do Projeto Arrematar, quando a Prefeitura de João Pessoa assumiu a dívida com Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), evitando a venda em leilão. Desta vez a dívida é com a Fazenda Nacional.



A sede do Botafogo Futebol Clube, com dois campos e área coberta, deverá ir a leilão avaliada em R$ 2,5 milhões. Até troféus estarão à venda. São 32 do Clube de Futebol Auto Esporte, avaliados em R$ 1 mil. Já do Botafogo está para ir a leilão uma série de troféus avaliados, no total, em R$ 32 mil.

Um apartamento na avenida Edson Ramalho, em Manaíra, com dois quartos, no Edifício Praia Norte foi avaliado em R$ 50 mil. No bairro do Bessa o edital oferece para leilão apartamento no Condomínio Residencial Otávio Gadelha, com 3 quartos, avaliado em R$ 210 mil. Entre os veículos destaque para um Toyota Corolla XLI 2005 avaliado em R$ 41 mil e uma Saveiro, ano 2000, gasolina, avaliada em R$ 19 mil.

Os participantes do Projeto Arrematar terão a oportunidade de dar lance mínimo para bens móveis de 20% do valor da avaliação e para bens imóveis lances mínimos iniciando em 40%. Os bens imóveis poderão ainda receber oferta parcelada.

Inédito: leilão também será via internet

Pela primeira vez o leilão irá acontecer na forma presencial e eletrônica (via internet). Os licitantes que desejarem participar do leilão realizado na forma eletrônica deverão aderir às regras do Sistema de Leilão Eletrônico, que serão divulgadas em breve no site do TRT da 13ª Região (www.trt13.jus.br).

Os internautas poderão oferecer seus lances através de um link durante a realização do evento. O lance irá aparecer no telão instalado no auditório e será analisado como uma oferta.

O Projeto Arrematar é conduzido pela juíza coordenadora da Central de Mandados e Arrematações de João Pessoa, Ana Paula Cabral Campos. Uma equipe de juizes e servidores da Central de Mandados já está trabalhando para que o último leilão do ano aconteça com sucesso. O edital com a listagem dos bens que irão participar do Projeto Arrematar já está disponível para consulta pelos interessados no endereço: www.trt13.jus.br/ Projeto Arrematar.

Outros bens à venda

Apartamentos, casas e terrenos nos bairros nobres de João Pessoa, granjas, fazendas, galpões com terrenos e uma infinidade de bens, entre automóveis, computadores, material de escritório e material de construção estão à disposição da população.

A presidente do TRT, juíza Ana Clara Nóbrega ressaltou a importância da realização do Projeto Arrematar. “Nosso objetivo, tenho dito sempre, não é vender por vender o bem. É o pagamento das dívidas trabalhistas para aqueles que já tiveram o direito reconhecido pela Justiça. Se esses valores forem pagos sem a venda dos bens em leilão, melhor ainda. Preserva-se o patrimônio do devedor”, disse. Até a véspera do leilão o devedor poderá procurar a Justiça para quitar seu débito e evitar que o bem vá a leilão.

Os bens poderão ser arrematados individualmente ou por lote, pelo maior lance ofertado, o qual será apreciado pelo juiz. Na hipótese de oferta de lance para pagamento parcelado, apenas para alienação de imóveis, não serão admitidas parcelas inferiores a 1/10 do valor da avaliação do bem, podendo este ser parcelado em, no máximo 10 vezes, contando com o sinal. Os bens móveis encontram-se sob a guarda da parte executada ou do leiloeiro oficial.