Você está aqui: Página Inicial > Comunicação Social > Notícias > 2009 > 01 > Edvaldo de Andrade e Paulo Maia assumem presidência e vice-presidência do TRT

Edvaldo de Andrade e Paulo Maia assumem presidência e vice-presidência do TRT

Solenidade aconteceu no auditório do Centro Universitário de João Pessoa, Unipê

Ações do documento

publicado: 12/01/2009 13h23 última modificação: 30/09/2016 10h19




Os juízes Edvaldo de Andrade e Paulo Américo Maia de Vasconcelos Filho são os novos Presidentes e Vice do Tribunal Regional do Trabalho. A transmissão do cargo foi feita na última sexta-feira, dia 09, pela juíza Ana Clara Nóbrega, que concluiu seu biênio administrativo.
A solenidade aconteceu no auditório do Centro Universitário de João Pessoa - Unipê. Os novos dirigentes vão administrar o TRT no biênio janeiro de 2009 a janeiro de 2011. Na solenidade foram distribuídas revistas com as ações da administração que foi encerrada e um plano de metas da nova gestão.
Também foram empossados a presidente da Primeira Turma de Julgamento, a juíza Ana Clara Nóbrega e da Segunda Turma, o juiz Afrânio Melo. O juiz Paulo Maia Filho, além de ocupar a Vice-Presidência, foi empossado como Ouvidor da Justiça do Trabalho, tendo a juíza Ana Maria Madruga como Ouvidora Substituta.
Para a Escola Judicial e de Administração Judiciária do Tribunal, foram nomeados a juíza Ana Clara Nóbrega, como diretora e como o juiz Arnaldo José Duarte do Amaral, como vice. Os novos membros da Comissão de Jurisprudência empossados foram os juízes Carlos Coelho, Vicente Vanderlei e Ana Madruga. Na Comissão do Regimento Interno estão os juízes Afrânio Melo, Paulo Maia e Francisco de Assis Carvalho e na Comissão da Revista do TRT, os juízes Francisco de Assis Carvalho, Paulo Maia e o juiz de 1ª instância, Wolney de Macedo Cordeiro.
Na solenidade falaram o juiz Vicente Vanderlei, em nome do Tribunal Regional do Trabalho; o presidente da Amatra – Associação dos Magistrados da 13ª Região, juiz André Machado; o Procurador do Trabalho, Eduardo Varandas, representando a Procuradoria-Geral do Trabalho; a advogada Anne Caroline Lopes, representando a Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Paraíba; e, encerrando, o novo presidente do TRT, juiz Edvaldo de Andrade.

Transmissão de cargo

  Após a transmissão de cargo, a juíza Ana Clara Nóbrega confessou: “Do fundo de minha alma, esperava que a caminhada, na incessante defesa da Justiça do Trabalho da Paraíba, pudesse ser mais árdua. Não é que tenha sido fácil, mas a desmesurada e irrestrita presteza dos Juízes Edvaldo de Andrade, Vicente Vanderlei, Assis Carvalho, Ana Maria Madruga, Afrânio Melo, Paulo Maia e Carlos Coelho, tornaram os espinhos menos pontiagudos”.
 A magistrada desejou sorte aos Juízes Edvaldo de Andrade e Paulo Maia, que assumiam naquele momento os destinos da Justiça do Trabalho, na Paraíba. “Que o veio profundo do rio tenha a fluidez necessária para o florescimento maior de nosso amado Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região”, disse.
 Depois de empossado no cargo de Juiz do Tribunal Regional do Trabalho, o juiz Edvaldo de Andrade lembrou do esforço que teve que enfrentar para ingressar na magistratura. “Foi uma luta muito difícil. Porém, mais árduo ainda foi o início da judicatura, por causa da minha absoluta falta de experiência, pois nunca advoguei. Contudo, para um juiz modesto desempenhar suas funções não é fundamental ser profundo conhecedor do direito. Basta ser dedicado, ter bons propósitos e, principalmente, humildade”.
O novo presidente do TRT paraibano destacou  que tem certeza que não vai estar só na tarefa de administrar o Tribunal. Disse que vai estar contando com a colaboração e a solidariedade dos seus pares, colegas de Primeira Instância e dedicados servidores, levando em conta, principalmente, que, dos oito membros do Tribunal, cinco já exerceram a Presidência.
“Não menos importante é ter o privilégio da parceria do Vice-Presidente, Juiz Paulo Maia, que tem me auxiliado desde a primeira instância, quando me substituía na então 1ª Junta de Conciliação e Julgamento de João Pessoa, assim como na Segunda Instância, quando convocado para atuar no gabinete que ocupo, além de em outros encargos de que participamos. Ele é um magistrado jovem, porém dinâmico, inteligente, abnegado e digno”.
 Dar continuidade aos projetos já implantados no Regional é uma das metas da nova administração. Segundo o presidente, no comando, não cogita realizações de ponta. “Limitar-me-ei a dar seqüência à sua vida administrativa, preservando os projetos de alta significância, especialmente o Conciliar, Arrematar, E-Saber, Semana do Judiciário, entre outros, que o enobrecem merecidamente. Os dois primeiros, idealizados e concretizados, de forma genial, na gestão do Juiz Afrânio Melo, com repercussão nacional, chegando, inclusive, a ser adotados, com pequenas alterações, por outros tribunais”, assegurou.

Plano de gestão

A nova equipe de trabalho, recentemente formada, elaborou plano de gestão, com metas a serem alcançadas, em datas previamente fixadas. Esse documento prevê a edição de uma plano plurianual, a ser construído com a colaboração dos futuros gestores, prioriza a capacitação de juízes e servidores, relacionamento humanitário entre estes e os jurisdicionados, visando a dar real atenção à dignidade dos cidadãos e, sobretudo, a uma prestação jurisdicional célere, efetiva e eficiente, conforme se depreende do catálogo que será distribuído aos presentes, logo em seguida.
“É ponto de honra cumpri-lo fielmente, de forma compartilhada com os juízes, servidores, membros do Ministério Público do Trabalho, advogados, associações de classe, como a Amatra 13, Astra 13 e Sindjuf”, revelou.


Juiz Edvaldo de Andrade, breve perfil

O juiz Edvaldo de Andrade é filho de João Lino de Andrade e Augusta Alves e é casado com Ana Maria Andrade. É natural de Rio Tinto, na Paraíba, e já foi inspetor do trabalho, sendo diretor da Divisão de Proteção ao Trabalho.
Foi juiz do Trabalho Substituto na 5ª Região, Bahia, de 1982 a 1987. Na 13ª Região, Paraíba, assumiu como juiz do Trabalho em 1987.
A partir de 2002 assumiu como juiz de 2ª Instância. Já ocupou o cargo de juiz ouvidor da Justiça do Trabalho da Paraíba.

Em concursos públicos foi aprovado para:

- Inspetor do Trabalho
- Procurador Autárquico
- Promotor de Justiça Substituto
- Juiz do Trabalho Substituto - 5ª Região
- Juiz do Trabalho Substituto - 13ª Região


Juiz Paulo Maia Filho, breve perfil

O juiz Paulo Américo Maia de Vasconcelos Filho é casado com Selda Maia e filho de Paulo Américo Maia de Vasconcelos e Maria José de Andrade Maia.
Foi nomeado juiz do Trabalho em setembro de 1990 aprovado em primeiro lugar em concurso público de provas e títulos. Foi juiz titular da Vara do Trabalho de Sousa, promovido pelo critério da antigüidade. Depois foi removido para a VT de Areia, onde ficou até o ano 200, quando foi removido para a 5ª Vara do Trabalho de João Pessoa.
É juiz de 2ª Instância desde 2004, nomeado pelo Presidente da República, mediante promoção, pelo critério do merecimento.
Exerceu outros cargos, como procurador do Estado da Paraíba, e concluiu recentemente o mestrado em Direito Processual Civil na cidade do Rio de Janeiro.