Você está aqui: Página Inicial > Comunicação Social > Notícias > 2010 > 06 > Tribunal conquista 1º lugar em Prêmio Nacional de Comunicação

Tribunal conquista 1º lugar em Prêmio Nacional de Comunicação

Ações do documento

publicado: 15/06/2010 10h31 última modificação: 30/09/2016 10h17


O Tribunal Regional do Trabalho da Paraíba conquistou o primeiro lugar no 8° Prêmio Nacional de Comunicação e Justiça (PNCJ). O resultado foi nunciado na festa de encerramento do 6° Congresso Brasileiro de Assessores de Comunicação da Justiça (Conbrascom), realizado na semana passada em Porto Velho (RO).


O TRT concorreu na categoria Projeto Institucional, com o Cordel do Trabalho, de autoria da Assessoria de Comunicação Social, implementado pelo próprio Tribunal e pela Associação de Magistrados do Trabalho da 13a Região - Amatra 13, em regime de parceria.  


O projeto busca divulgar direitos do trabalhador por meio de repentes de autoria do artista Oliveira de Panelas em emissoras de rádios de todo o estado, que receberam Cds com  15 versos, de 30 e 45 segundos. Os repentes abordam, entre outros temas, salário, férias, fundo de garantia, aviso prévio, demissão, descanso semanal, trabalho doméstico e assédio moral e sexual.


O Prêmio Nacional de Comunicação e Justiça é uma iniciativa do Fórum Nacional de Comunicação e Justiça (FNCJ), uma organização não-governamental sem fins lucrativos, voltada à promoção de debates e ações para aproximar as organizações públicas do cidadão.  Lançado em 2003, o prêmio visa contribuir para o aperfeiçoamento dos produtos e serviços das Assessorias de Comunicação a partir do destaque de experiências bem sucedidas na área, reconhecendo e valorizando as práticas destinadas ao desenvolvimento da cidadania, à democratização das informações institucionais e à inclusão social, além de difundir pesquisas científicas e trabalhos acadêmicos com foco na comunicação pública.

Depoimentos

Sagrada missão
O rádio e o cordel são instrumentos de comunicação inerentes à alma do povo nordestino. Estão nas suas raízes e nos seus corações. Ao traduzir a linguagem do Direito do Trabalho para o cordel e divulgar essa obra, transformada em cantigas populares, pelas ondas do rádio, o Tribunal Regional do Trabalho e a Amatra 13 estão promovendo cidadania.


Talvez nenhuma linguagem tenha maior poder de comunicação com o nordestino do que a do cordel e, com certeza, nenhum meio de comunicação é mais companheiro desse povo, principalmente no interior.


E, nesse caso, o Cordel do Trabalho ganha brilho na pena e na voz poderosa do poeta Oliveira de Panelas, um ícone da cultura popular no Brasil.


Com o Projeto Cordel do Trabalho, o Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região e a Amatra 13 cumprem a sagrada missão de aproximar o Poder Judiciário Trabalhista dos cidadãos, contribuindo, também por essa via, na consecução da sua missão constitucional de distribuir a Justiça. Então, ganhar o Prêmio Nacional de Comunicação e Justiça é o coroamento desta iniciativa, que orgulha a Justiça do Trabalho da Paraíba.

Edvaldo de Andrade
Desembargador presidente do TRT 13ª Região


Cidadania e Justiça
A premiação do projeto 'Cordel do Trabalho' revela o reconhecimento do Fórum Nacional de Comunicação e Justiça (FNCJ) quanto ao valor da divulgação dos direitos básicos do trabalhador à parcela mais carente da sociedade.


A iniciativa revela, outrossim, o engajamento do Poder Judiciário Trabalhista e dos Magistrados do Trabalho em busca da efetivação  dos direitos fundamentais dos trabalhadores assegurados constitucionalmente.


O “Cordel do Trabalho” é fruto da compreensão da Amatra 13 quanto à necessidade de esclarecimento da população acerca dos seus direitos fundamentais. Através desse projeto, poderemos levar aos cidadãos paraibanos, notadamente os mais humildes e que residem em locais distantes dos grandes centros, noções de cidadania e justiça através da autêntica cultura popular.


Não há cidadania sem conhecimento e não há conhecimento sem informação. Essa é a filosofia do “Cordel do Trabalho”.

André Machado Cavalcanti
Presidente da Amatra 13


Deixe de pabulagem!

Menino, deixe de pabulagem, que coisa mais feia! Essa foi a reprimenda que tomei de minha mãe, ainda criança, quando contava umas histórias floreadas, me gabando a um amiguinho. Guardei a frase e juro que hoje vou honrá-la. O que vou contar, de coração, não é pabulagem e quem me conhece sabe disso. Esse prêmio conseguido no Congresso Brasileiro dos Assessores de Comunicação do Poder Judiciário vem em uma data muito especial para mim, exatamente quando completo 25 anos de profissão como jornalista, a única carreira que exerci em toda a minha vida. E digo com muita alegria e extremo agradecimento a Deus, que minha carreira profissional tem muitas marcas de ineditismo.


Deus me colocou na estrada como o primeiro jornalista radicado na Paraíba com formação em televisão e o primeiro a ter veiculadas reportagens em rede nacional, no meu caso, a Rede Globo de Televisão, nos programas Jornal Hoje e Globo Esporte. No início de 1986 fui classificado para ser o correspondente da Globo na Paraíba. Fiquei por lá o ano inteiro, até a inauguração da TV Cabo Branco. Na Paraíba também tive o privilégio de ser o primeiro repórter a fazer uma transmissão ao vivo. O que hoje é comum em termos de infraestrutura, naquela época era quase uma operação de guerra. Depois segui minha carreira na TV Tambaú.


Trabalhando em instituições públicas tive a oportunidade de montar algumas assessorias de imprensa, como a do Tribunal Regional Eleitoral, em 1998, além de repaginar outras. São passagens para mim marcantes, como no Tribunal de Justiça e Ministério Público, por exemplo. Na era da internet, tenho a alegria de ter um site somente de boas notícias, o vidarretada.com.br, com reportagens de viagens e aventuras.

Agora, em 2010, vem o Prêmio Nacional de Comunicação que o TRT conquistou com o projeto Cordel do Trabalho. Não é fácil concorrer com aquelas feras. São trabalhos muito bem produzidos, campanhas que envolvem muito investimento financeiro de tribunais de todas as esferas, inclusive os Tribunais Superiores, todos os estaduais, Justiça Federal, Ministério Público, Tribunais de Contas, associações de classes do Judiciário e Defensoria Pública. 


Concorremos com o Projeto Cordel do Trabalho, bem simples, mas feito com muita dedicação. E agora, obrigado senhor, estou na única Instituição do nosso estado a vencer em uma categoria do Prêmio Nacional de Comunicação. Pois é, nesta altura da vida estou eu, feito menino, carregando o troféu no colo, como se fosse o mais cobiçado dos brinquedos. Então, não é pabulagem, é ação de Deus!


José Vieira Neto
Assessor de Comunicação do TRT