Você está aqui: Página Inicial > Comunicação Social > Notícias > 2011 > 09 > Juízes querem que política de segurança inclua Justiça do Trabalho

Juízes querem que política de segurança inclua Justiça do Trabalho

Ações do documento

Juízes diretores da Associação dos Magistrados do Trabalho da Paraíba se reuniram com o ministro do Tribunal Superior do Trabalho e corregedor-geral da Justiça, Antônio José de Barros Levenhagen, e expressaram a preocupação com a segurança para os magistrados, entre outros assuntos.

Segundo o presidente da Associação, Adriano Mesquita Dantas, o Poder Judiciário está de certa forma desprotegido. “Nós não temos uma política de segurança para a magistratura. Precisamos de um efetivo que deixe o magistrado seguro e tranquilo no momento de suas decisões”, disse.





Adriano Dantas informou que na Paraíba não há ameaças de morte envolvendo diretamente juízes do trabalho, mas revelou que colegas já flagraram pessoas armadas em audiências. “O perigo existe. Na nossa atividade estamos sempre lado a lado com as partes nos processos e muitas vezes, em uma sala de audiência, uma parte fica mais exaltada quando fica insatisfeita com uma decisão tomada no processo”.

O ministro Barros Levenhagen garantiu que já entrou em contato com a corregedora-geral do Conselho Nacional de Justiça, ministra Eliana Calmon, pedindo a mesma atenção para a Justiça do Trabalho na comissão extraordinária criada para sugerir uma política nacional de segurança institucional da magistratura e propor medidas para a sua concretização.

O juiz Adriano Dantas disse que ficou entusiasmado com o posicionamento do ministro. De acordo com o presidente da Amatra, inicialmente a ênfase da comissão era a Justiça Criminal. Do encontro participaram o vice–presidente da Amatra, Marcello Maia, o diretor financeiro, Alexandre Roque Pinto e o diretor secretário, Antônio Eudes Vieira Júnior.







Resultado da correição

Nesta sexta-feira, 2, o ministro-corregedor Barros Levenhagen apresentará aos paraibanos os resultados da correição feita no TRT. A apresentação da ata final será em sessão pública no auditório do Tribunal Pleno, às 10h. Em seguida, às 11h, o ministro concederá entrevista coletiva.

O ministro e equipe de correição estão em João Pessoa desde a última terça-feira, quando foram recebido pelo presidente do TRT, desembargador Paulo Maia Filho. Recebeu em audiência desembargadores, juízes, representantes da Advocacia Geral da União, advogados que militam na Justiça do Trabalho, representantes sindicais e pessoas com processos em andamento na 2ª Instância. Conversou ainda com servidores do Tribunal e dirigentes do Sindjuf – Sindicato dos Servidores e Astra 12 – Associação dos Servidores da Justiça do Trabalho.