Você está aqui: Página Inicial > Comunicação Social > Notícias > 2011 > 12 > Números parciais: leilões rendem quase dois milhões na Paraíba

Números parciais: leilões rendem quase dois milhões na Paraíba

Ações do documento

publicado: 05/12/2011 11h22 última modificação: 30/09/2016 10h14


Os leilões realizados pelo Tribunal do Trabalho na Paraíba arrecadaram quase 2 milhões de reais. Foram concentrados na última quinta e sexta-feira, dias 1 e 2, nas cidades de João Pessoa, Campina Grande, Santa Rita, Sousa, Picuí, Patos, Catolé do Rocha, Itabaiana, Areia e Mamanguape, com a participação de pessoas, diretamente nos auditórios da Justiça do Trabalho ou via internet.

Em João Pessoa foram arrecadados R$1.613.486,00. Em Campina, segunda maior cidade do estado foram arrecadados R$ 66.560,00. Nas outras cidades os números ainda são parciais. Em Picuí rendeu R$ 313,50, em Sousa R$ 3.894,00, em Patos R$ 8.960,00, em Catolé do Rocha R$ 3.081,20, em Areia, R$ 22.350,00, em Mamanguape R$19.670,78 e em Santa Rita e Itabaiana não houveram arrematações. O balanço parcial apresentado pelo leiloeiro oficial, Alexandre Nunes, na última sexta-feira, dia 4, foi de R$ 1.738.315,48.

Na Paraíba existem 4 mil pessoas inscritas e regularizadas perante o TRT, para participação nos leilões presenciais. Para participação via internet, são mil internautas legalizados.

A Paraíba vem realizando leilões unificados desde 2005, quando criou o Projeto Arrematar, e desde então, tem atraído a atenção do público interessado nas grandes quantidades de bens ofertados. Todas as Varas do Trabalho participam em uma hasta única, o que reúne uma grande quantidade de ofertas. Como os leilões acontecem com frequência, o número de bens ofertados vem diminuindo.


Preços abaixo do mercado

Segundo a juíza supervisora da Central de Mandados, Ana Paula Cabral, participar dos leilões da Justiça tem muitas vantagens, uma delas é o preço, boa parte das vezes, abaixo do praticado pelo mercado.

No leilão da última quinta-feira, dia 3, em João Pessoa, foi arrematado por R$ 11 mil um automóvel Gol Wolkswagen, ano 2005, avaliado em R$ 16 mil. Outro veículo, um caminhão Mercedes Benz, 2001, avaliado em R$ 70 mil foi vendido por R$ 40 mil e um lote de confecções, composto de 101kg de malha 100% poliéster, avaliado em R$ 2.222,00 foi vendido por R$ 445,00.

As disputas são mais acirradas quando o bem é um imóvel. Em relação a imóveis os preços estão saindo acima do preço da avaliação, e a disputa é grande. Um apartamento avaliado em R$ 59 mil foi arrematado por R$ 68 mil, com 44 propostas de lances, feitas pelas pessoas no auditório e pela internet.

Uma das atrações do Projeto Arrematar é o técnico judiciário Rafael Arnaud. É ele quem anuncia os bens. Servidor do Tribunal do Trabalho da Paraíba ele cativa e emociona o público. Anuncia cada objeto com empolgação que mobiliza a plateia. Numa disputa acirrada entre dois participantes do leilão chegou a oferecer emprestado a diferença de R$ 200 para estimular a disputa. A brincadeira fez o público cair na gargalhada.

Em outra situação o bem leiloado era uma Kombi, ano 1996, em péssimo estado de conservação e sem funcionar. Tudo no carro precisava de reparo. Mesmo assim o leiloeiro não perdeu a pose e apelou: “Comprem e inscrevam o carro para participar do quadro Lata Velha do programa Caldeirão do Hulk. Você vai ficar famoso e com um carro zero quilômetro”. Não conseguiu a venda, mas transformou o leilão em um dia de descontração.

Perguntado o que move o funcionário a fazer uma trabalho tão diferenciado e com tanta empolgação, ele respondeu: “o sentimento de prazer em saber que o trabalhador vai receber o seu dinheiro, o que lhe é de direito”.