Você está aqui: Página Inicial > Comunicação Social > Notícias > 2013 > 04 > Juíza do TRT da Paraíba ministra curso de "Conciliação Humanista" em Natal

Juíza do TRT da Paraíba ministra curso de "Conciliação Humanista" em Natal

Magistrados e servidores discutiram aspectos relativos à conciliação

Ações do documento

Magistrados e servidores do Tribunal participaram na sexta-feira (19), do curso "Conciliação Humanista" realizado no auditório do Tribunal Pleno. Coordenado pela Escola Judicial, o evento teve como palestrante a juíza do trabalho Nayara Queiroz Mota de Sousa, titular da Vara do Trabalho de Catolé do Rocha/PB.

A conciliação humanista trabalha com uma interface da Psicologia com o Direito e se constitui numa atividade jurisdicional, que busca a tentativa de acordo entre as partes. Por intermédio da implantação de um clima psicológico favorável ao diálogo, promovido com a adoção de atitudes facilitadoras, permite a fala autêntica e a escuta ativa, proporcionando decisões conscientes e responsáveis, provenientes da autonomia da vontade das partes.

A juíza Nayara Mota utiliza como exemplo em seu discurso o Núcleo de Conciliação Humanista criado no TRT da Paraíba, que vem apresentando resultados satisfatórios. O Núcleo trabalha com a proposta da humanização, com uma ambientação mais acolhedora, fato que traz mais pertencimento ao cidadão desacostumado com os fóruns judiciais.

Durante o curso, os participantes conheceram como funciona o processo da conciliação humanista e foram instigados à reflexão de suas atividades dentro do processo do judicial. O diretor da 2ª Vara do Trabalho, Paulo Sexto Rodrigues, disse que "a conciliação feita de forma humanizada poderá fazer com que haja uma diminuição da quantidade de processos em execução".

Alexandre Érico, juiz do trabalho, disse que "dependendo da forma como for conduzida, a tentativa de conciliação deixa de ser coadjuvante nos processos judiciais e passa a ser protagonista. Dessa forma, trazer o tema da conciliação para discussão entre magistrados e servidores do Tribunal é salutar, para o desenvolvimento das atividades judiciárias de uma forma mais funcional".

 

Fonte: Ascom - TRT/21ª Região