Você está aqui: Página Inicial > Comunicação Social > Notícias > 2013 > 12 > MPT quer interdição de centro comercial

MPT quer interdição de centro comercial

Justiça do Trabalho agendou para terça-feira, às 14h, na 7ª Vara, audiência com representantes da prefeitura e dos comerciantes

Ações do documento

publicado: 09/12/2013 16h22 última modificação: 30/09/2016 10h11

O Ministério Público do Trabalho (MPT) pediu a interdição imediata do Centro Comercial de Passagem (CCP) de João Pessoa, no Centro da capital. De acordo com o MPT, problemas nas instalações elétricas e estrutura física do ponto comercial podem colocar em risco a vida de usuários e comerciantes.

A Justiça do Trabalho agendou para a próxima terça-feira, na 7ª Vara, a partir das 14h, audiência com representantes da prefeitura, dos vendedores que trabalham no local e MPT para discutir a questão.

O secretário de Desenvolvimento Urbano de João Pessoa, Assis Freire, informou que apesar de ainda não ter recebido notificação oficial da audiência, vai participar da reunião. O secretário garantiu ainda que serão tomadas todas as medidas cabíveis para evitar a interdição do CCP.

“Nós já temos um projeto para reforma do CCP, ele integra o complexo de reforma da Lagoa, contudo, situações emergenciais devem ser corrigidas. Vamos discutir com o MPT as ações que podem ser realizadas”, afirmou.

O MPT move desde 15 de julho de 2009 uma ação civil pública pedindo providências para melhoria da infraestrutura do CCP. Na ocasião foi dado o prazo de 45 dias para o município realizar a revisão geral nas instalações elétricas do CCP para eliminar os riscos de choques elétricos e de incêndios no local.

A prefeitura ingressou com recurso, alegando que a Justiça do Trabalho não teria competência para julgar o tema.

O Tribunal Regional do Trabalho e até o Tribunal Superior do Trabalho não acataram a justificativa da prefeitura. Após o resultado, o MPT pediu a realização de uma nova fiscalização para identificar a situação estrutural do Centro Comercial de Passagem na atualidade.

Após nova inspeção, o auditor do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e Bombeiros identificaram o risco de choque elétrico e princípio de incêndio no local. Atualmente, mais de 280 vendedores ambulantes trabalham no local.

 

 

Fonte: Jornal da Paraíba

Jornalista: Luzia Santos