Você está aqui: Página Inicial > Comunicação Social > Notícias > 2015 > 04 > Projeto Conciliação Humanista será apresentado em encontro nacional do Judiciário

Projeto Conciliação Humanista será apresentado em encontro nacional do Judiciário

Segundo Encontro de Boas Práticas do Poder Judiciário acontecerá na Bahia

Ações do documento

O presidente do Tribunal do Trabalho da Paraíba (13ª Região), desembargador Ubiratan Delgado, designou a juíza Nayara Queiroz Mota de Sousa para apresentar, na Bahia, o projeto Núcleo de Conciliação Humanista, selecionado para o II Encontro Nacional de Boas Práticas do Poder Judiciário Trabalhista. Estarão representando o TRT da Paraíba o juiz Antônio Eudes Vieira Júnior, Auxiliar da Presidência, e Saulo Sobreira Filho, secretário-geral da Presidência, para o acompanhamento de projetos das áreas judicial e administrativa.

Na semana passada, o desembargador Ubiratan Delgado recebeu ofício do presidente do TRT da Bahia, Valtércio Ronaldo de Oliveira, comunicando a seleção do projeto paraibano para apresentação no encontro nacional. Segundo o desembargador do TRT-BA, foram recebidos 140 projetos para apresentação e apenas 44 selecionados, entre eles o Núcleo de Conciliação Humanista, da Paraíba.

Esta segunda edição do Encontro Nacional de Boas Práticas do Poder Judiciário terá a participação do Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT), que selecionará as melhores iniciativas para recomendá-las nacionalmente, “o que enriquecerá ainda mais a troca de experiências administrativas e judiciais”, disse o desembargador Valtércio de Oliveira.

A apresentação do projeto do TRT da Paraíba será nesta sexta-feira, 10, às 10h. O encontro será aberto nesta quinta-feira, 9, e será encerrado no sábado, 11, na cidade de Porto Seguro, na Bahia.

Conciliação humanista

O Nucon foi criado em maio de 2012 obedecendo a uma resolução do Conselho Nacional de Justiça, que prevê um tratamento adequado para os conflitos. Só que o projeto foi implantado na Paraíba adotando a conciliação humanista, fundamentado na "Abordagem Centrada na Pessoa", do psicólogo e pesquisador Carl Rogers, trabalho fruto de uma pós-graduação da juíza Nayara Sousa.

A conciliação humanista habilita o magistrado como facilitador do diálogo e o tempo destinado para a tentativa de conciliação é bem maior. Nas Varas do Trabalho normais, a arrojada dinâmica do dia a dia não permitem esse tratamento diferenciado em todos os processos. O foco dos juízes é que o acordo não sacrifique nenhum das partes, que busque equilíbrio e justiça.

Ambiente diferenciado

A equipe do Núcleo foi preparada para receber a todos com gentileza e espírito de alegria. Nas paredes foram pintados grandes painéis pelo artista plástico Pedro Nogueira, focando paisagens do interior do nordeste brasileiro. As cores fortes do regionalismo quebraram a sisudez do ambiente da Justiça. Até o mobiliário é diferente. Na entrada do núcleo não existe balcão, permitindo a circulação em um só ambiente das partes nos processos, advogados, servidores e juízes. Nas salas de audiências as mesas são redondas e não existe um lugar determinado para juiz, advogado ou parte.