Você está aqui: Página Inicial > Comunicação Social > Notícias > 2016 > 04 > Shopping de Campina Grande terá que oferecer local para amamentação de filhos das funcionárias

Shopping de Campina Grande terá que oferecer local para amamentação de filhos das funcionárias

Decisão da 2ª Vara do Trabalho determina multa de R$ 50 mil por descumprimento

Ações do documento

publicado: 26/04/2016 08h15 última modificação: 30/09/2016 10h26

O Condomínio Partage Shopping de Campina Grande terá que adequar local para que as funcionárias das lojas possam guardar, sob vigilância e assistência, os seus filhos no período da amamentação conforme prevê o artigo 389 da CLT. A decisão foi tomada pela juíza da 2ª Vara do Trabalho de Campina Grande, Maria das Dores Alves, em Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público do Trabalho, que condenou a empresa ao pagamento de R$ 50 mil por danos morais e o não cumprimento da sentença implica em multa diária de R$ 50 mil.

Provocado pela Coordenadoria Nacional de Promoção de Igualdade de Oportunidade e Combate à Discriminação no Mercado de Trabalho (Coordigualdade), que tentou junto a administração do Shopping a celebração de Termo de Ajuste de Conduta e não obteve sucesso, o MPT comprovou na empresa, a inexistência de um espaço do tipo creche. O representante da empresa informou a existência de um local para amamentação, mas alegou impossibilidade de transformar esse local em creche.

Responsabilidade

De acordo com a Constituição Federal de 1988 a função social da empresa não é apenas um meio para obtenção de lucro para o empresário, mas também como agente sujeito a direitos e deveres para com a sociedade e para todos aqueles que de alguma forma integram sua cadeia produtiva. Documentos anexados ao processo (Normas Gerais Complementares dos Contratos de Locação e Outras Avenças) revelam que a empresa figura como responsável por todas “as áreas de circulação, instalação e uso comum”.

De acordo com as mesmas normas, ao lojista, locatário do “salão comercial”, quase nenhuma liberdade é atribuída, tudo é rigorosamente voltado para uma padronização de instalações, ações e procedimentos necessários ao fim do empreendimento coletivo, porque assim exige esse modo de exercer a atividade comercial. “Nesse contexto, não existem dúvidas de que a Administradora-ré, com know how no ramo, conhece a existência de mecanismos para arcar com tais despesas”, disse a magistrada.

Competência

Assim, como tudo o quanto se destinar ao uso comum, compete à empresa ré incluir no projeto de área comum, local adequado à finalidade do artigo 389 da CLT. De acordo com a juíza Maria das Dores Alves, a providência é a única capaz de assegurar a proteção garantida à mulher, até porque sabe-se que a abstinência do ato de amamentar é suscetível de provocar na mulher um desconforto ímpar, com impacto negativo sobre sua saúde e, ainda, de seus filhos na fase de amamentação, tornando efetivo o direito garantido no Estatuto da Criança e do Adolescente.

A empresa terá 120 dias a contar com a data da decisão em juízo (1º de abril) para adotar as medidas necessárias ao cumprimento integral das disposições contidas nos parágrafos 1º e 2º do Artigo 389 da CLT, sob pena de incorrer multa diária no valor de R$ 50 mil. A título de danos morais, a empresa foi condenada ao pagamento de R$ 50 mil.