Você está aqui: Página Inicial > Comunicação Social > Notícias > 2016 > 10 > ‘Outubro Rosa’ tem relatos emocionantes no auditório do Pleno do TRT

Notícias

‘Outubro Rosa’ tem relatos emocionantes no auditório do Pleno do TRT

Equipe da ONG Mãos que Acolhem participou da programação do projeto no Regional

Ações do documento

Mais do que uma palestra com conteúdos científicos e estatísticos relacionados à prevenção do câncer de mama, as servidoras do Tribunal do Trabalho da Paraíba (13ª Região) tiveram a oportunidade de conhecer histórias de mulheres diagnosticadas precocemente, mas que venceram a batalha contra a doença. Elas formam o Grupo Mãos que Acolhem, uma Organização não Governamental, cujo propósito social é apoiar pacientes acometidos com a doença e seus familiares durante o tratamento.

A presidente e fundadora do grupo, Jeane Santos Silva, após descobrir um tumor maligno através do autoexame justamente no período em que amamentava sua filha recém-nascida, contou que enquanto passava pelo difícil processo de recuperação depois da retirada do seio, percebeu o quanto foi importante o papel de pessoas voluntárias nas suas horas de grandes dificuldades. A ONG já existe há quatro anos e acolhe mais de 40 mulheres diagnosticadas com câncer de mama. As atividades são desde uma simples visita, ajuda com mantimentos, suplementes e apoio psicológico, tanto para o doente, quanto para a família.

A sede fica no centro de João Pessoa, mas os trabalhos voluntários não. O atendimento psicológico é feito tanto no consultório da psicóloga e vice-presidente, Leonice de Farias Mindêlo, onde também funciona a ONG, como também em domicílio. Além de todo apoio material e profissional, a fé em Deus é uma ferramenta fundamental de encorajamento e de esperança oferecido pelas mulheres do Mãos que Acolhem.

Jeane Santos Silva, que também é enfermeira, observou que todas essas necessidades foram notadas no meio e no dia a dia das famílias que tem um doente. “Por isso, resolvemos ir até elas porque é nessas horas que percebemos que todo mundo fica desorientado, sem saber como se comportar, como agir. E a tarefa de querer aliviar a dor de um ser humano é muito difícil e fica mais difícil ainda quando essa pessoa é um ente querido”, disse.

Outro momento de grande emoção e não menos impressionante foi o da professora e palestrante em superação, Mauricélia Moisés da Silva. Diagnóstica em 2010 com câncer, foi submetida a uma cirurgia para a retirada completa de uma das mamas, mas não se abateu. Passou por todo o processo e venceu a doença. Hoje é voluntária, sempre em companhia de uma zabumba enfeitada e sua alegria contagiante, leva uma mensagem de fé e esperança para pacientes acolhidas pelo grupo.

Câncer tem cura

A cura do câncer se sustenta em três pilares: prevenção informação e tratamento precoce. O câncer de mama é o segundo tipo mais frequente no mundo e mais comum entre as mulheres, respondendo por 20,8% de casos novos a cada ano. No Brasil, as taxas de mortalidade continuam elevadas, muito provavelmente porque a doença só é diagnosticada em situações avançadas.

Para enfatizar ainda mais a prevenção do câncer de mama, o grupo de teatro do Tribunal, Justiça em Pauta fez uma apresentação especial com a esquete “Quem se cuida vai além. Cuida da mama a e do períneo também”

O autoexame das mamas, com apalpação do peito para verificar a presença de nódulos não pode ser o único método de prevenção, pois não é eficiente para a detecção precoce do câncer. Se o nódulo já atingiu tamanho palpável, significa que a doença não está mais no estágio inicial.

Mamografia

Só a mamografia permite a detecção precoce do câncer, ao mostrar lesões em fase inicial muito pequenas. O exame deve ser feito a cada dois anos por mulheres entre 50 e 69 anos, ou segundo recomendações médicas. A lei 11.664/2008 está em vigor desde abril de 2009 e estabelece que todas as mulheres têm direito à mamografia a partir do 40 anos de idade.

Engajamento

Desde o dia primeiro deste mês, o Tribunal do Trabalho da Paraíba (13ª Região) está engajado na campanha Outubro Rosa, que este ano tem como tema: “Câncer de mama: vamos falar sobre isso?”. Todas as noites deste mês, sua fachada é iluminada na cor rosa com o objetivo de fortalecer as recomendações para o diagnóstico precoce e rastreamento do câncer de mama. E no hall de entrada, um banner chama a atenção dos magistrados e servidores. Em função da economia de energia, a luz ficará acesa até as 21h.

Dando continuidade à programação do Outubro Rosa do Regional, na próxima sexta-feira, 14, será realizada uma rodada de conversa com a mastologista Eulina Helena Ramalho de Souza, às 9h, no auditório do Pleno. Não será uma palestra. Por isso a diretora da Secretaria de Gestão de Pessoa (Segepe), Suy-May Carvalho de Mendonça orienta a quem tiver dúvidas relacionadas ao câncer de mama e sua prevenção, que envie perguntas para o e-mail segepe@trt13.jus.br .