Você está aqui: Página Inicial > Comunicação Social > Notícias > 2017 > 02 > TRT testa software de reconhecimento de voz em audiência

Notícias

TRT testa software de reconhecimento de voz em audiência

Experiência foi realizada pelo juiz Lindinaldo Marinho na Vara do Trabalho de Santa Rita

Ações do documento

publicado: 22/02/2017 15h10 última modificação: 23/02/2017 09h19

Pela primeira vez, a Justiça do Trabalho da Paraíba realizou uma audiência com a utilização de um software de reconhecimento de voz para a transcrição de depoimentos sem a necessidade de se transmitir o texto para o digitador. O teste na Vara de Trabalho de Santa Rita foi uma solicitação do juiz Lindinaldo Marinho, que é membro da Comissão Permanente de Informática do TRT, para verificar se o sistema atende a esta necessidade.

De acordo com o magistrado, a ideia surgiu quando o Projeto Descongestionar foi editado e por considerar que nas Varas do Trabalho havia uma deficiência na quantidade de servidores aptos para a digitação. "Este projeto previu que o digitador seria o próprio assistente do juiz. Muitas vezes, as pautas ultrapassam 13 processos e a velocidade em que se desenvolvem as audiências é muito grande, o que dificulta a agilidade manual", ressaltou o juiz Lindinaldo Marinho.

Ele observou que, embora a tecnologia de reconhecimento de voz já exista há muitos anos, faltava ao Tribunal do Trabalho da Paraíba a oportunidade de incorporar essa ferramenta na tarefa mais antiga da prestação jurisdicional, a digitação. “Tudo avançou em termos de tecnologia no processo do trabalho, com exceção da digitação de audiência, disse.

O sistema

O Speech note é uma combinação para converter voz ou áudio em formato de texto e também texto em voz ou dizer nota de voz. O técnico judiciário Ericson Benjamin Melo de Arruda, lotado na Secretaria da Tecnologia da Informação e Comunicação (Setic), responsável pela instalação do equipamento (um microfone e um receptor) na VT de Santa Rita, explicou que, antes, testou a aplicação no próprio setor, para em seguida ser testado em produção.

Para Ericson, o teste foi excelente. “A tecnologia está muito madura, o reconhecimento de voz tem uma precisão de quase 100%. A experiência foi extremamente promissora e vai ajudar muito na transcrição dos textos, reduzindo problemas que, por ventura, o digitador de audiência possa ter como, por exemplo, uma lesão por esforço repetitivo”. A princípio, apenas o juiz Lindinaldo Marinho utilizará a nova ferramenta, mas, segundo o técnico, outros juízes já demonstraram interesse na solução.