Você está aqui: Página Inicial > Comunicação Social > Notícias > 2019 > 03 > Amatra debate sobre espaços da mulher no Judiciário

Notícias

Amatra debate sobre espaços da mulher no Judiciário

Encontro aconteceu no Fórum Maximiano Figueiredo

Ações do documento

Por mais espaços de comando ocupados por mulheres no sistema de justiça. Essa foi a tônica do debate realizado pela Amatra 13 na manhã dessa sexta-feira, 15, no Fórum Maximiano de Figueiredo. O diálogo sobre “Ser mulher: o desafio da inclusão social” reuniu mulheres juristas e de outras profissões, como também alguns homens advogados e juízes para um debate sobre as dificuldades que as mulheres enfrentam no acúmulo de responsabilidades. É a chamada “carga mental”, enfatizada na palestra da juíza do Trabalho Daniela Lustoza Chaves, do Rio Grande do Norte.

O encontro foi aberto pelo presidente da Amatra 13, Marcelo Carniato, e conduzido pelas juízas Daniela Lustoza e Nayara Queiroz Mota de Sousa (mediadora e vice-presidente da entidade), além da procuradora do Trabalho Andressa Lucena Ribeiro Coutinho.
“Há três etapas para que esses espaços sejam conquistados: despertar, compreender e agir. Primeiro é preciso despertar para esse problema; depois, compreender que todos formos forjados nua sociedade patriarcal e é preciso entender as dificuldades dos homens em enxergar que existe um problema a ser enfrentado. Por último, é preciso agir, é preciso que façamos uma ação política no sentido da ocupação desses espaços”, comentou a juíza.
A procuradora Andressa Coutinho falou da necessidade de sororidade para apoiar as mulheres em suas várias dificuldades e despertar nelas a conscientização da necessidade de busca pela igualdade na sociedade.

Seguiu-se um intenso debate com várias participantes, entre elas a promotora de Justiça da Defesa da Mulher, Rosane Araújo; a juíza Lílian Leal, da comissão Amatra Mulheres e diretora de Direitos Humanos da entidade; a advogada Francisca Leite, da Rede de Mulheres Advogadas pela Sororidade (OAB); a coordenadora nacional e estadual dos Quilombolas Rurais, Geilza Paixão, entre outros.

Ao abrir o debate, o presidente da Amatra explicou que a atuação da entidade neste mês das mulheres está sendo muito mais política do que festiva. “Inclusive nossas diretoras estão empenhadas em levar sugestões ao TRT para que possamos chegar a uma igualdade de oportunidades”, disse, acrescentando que a Amatra 13 está empenhada na implementação da resolução do CNJ que incentiva a participação das mulheres nas instituições do Poder Judiciário.

O diretor do Fórum Trabalhista, Paulo Henrique Tavares da Silva, reconheceu que já houve importantes avanços na participação da mulher no mercado de trabalho e na magistratura, embora ainda haja muito a ser conquistado. Ele lamentou que ainda persistam a intolerância, a misoginia e a violência contra as mulheres.

Entre os vários participantes, esteve presente, ainda, o filósofo italiano Alberto Baal, integrante da Associação de Apoio aos Assentamentos e Comunidades Afrodescendentes, onde coordena vários projetos que desenvolvem atividades culturais com crianças, adolescentes e jovens das comunidades quilombolas.

Fonte:

Assessoria de comunicação da Amatra13