Você está aqui: Página Inicial > Comunicação Social > Notícias > “Do lixão à cátedra”: palestra da professora Patrícia Rosas abre 2ª edição do Programa “Empregabilidade na Diversidade”
Conteúdo

Notícias

“Do lixão à cátedra”: palestra da professora Patrícia Rosas abre 2ª edição do Programa “Empregabilidade na Diversidade”

Objetivo desta edição é fortalecer a formação de mulheres, cis e trans, em situação de violência ou periféricas, e inseri-las no mercado de trabalho
publicado: 18/03/2024 17h06 última modificação: 25/03/2024 12h14

Empregabilidade na Diversidade-12.jpg

Com a missão de continuar garantindo o acesso ao direito à empregabilidade e promovendo justiça social como um dever prioritário da gestão, o Tribunal Regional do Trabalho da Paraíba (13ª Região), deu início, nesta segunda-feira (18), no Fórum Maximiano Figueiredo, à 2ª Edição do Programa “Empregabilidade na Diversidade”. O objetivo desta edição é fortalecer a formação de 17 mulheres, cis e trans, em situação de violência ou periféricas e criar, também, uma ponte entre elas e o mercado de trabalho. 

A abertura do evento contou com a apresentação emocionante do Coral Maestro Pedro Santos, da Assembleia Legislativa da Paraíba, que iniciou a apresentação com a potente canção de Milton Nascimento, “Maria, Maria”. Logo em seguida, o presidente do Tribunal, desembargador Thiago Andrade, deu as boas-vindas aos presentes e agradeceu aos representantes do Instituto Federal de Educação da Paraíba (IFPB) e do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de João Pessoa (Sintur-JP) pela parceria.

“Não podemos fazer uma promessa de emprego, mas sim uma promessa de dedicação. Uma promessa de que a nossa equipe, junto com o IFPB, vai se dedicar ao máximo para que vocês tenham a melhor formação possível, com acolhimento, com dignidade e o respeito que vocês merecem. Contem conosco nessa jornada”, frisou o presidente Thiago Andrade.

Empregabilidade na Diversidade-33.jpg

Durante o período do programa, a Assessoria de Projetos Sociais e Promoção dos Direitos Humanos (Aspros), as associações parceiras e outros setores do Tribunal ministrarão oficinas e palestras, a exemplo do Instituto Federal de Educação da Paraíba (IFPB), Campus Cabedelo, que oferecerá uma formação em hotelaria, com 160 horas/aula. “Eu penso que nós, enquanto servidores e servidoras, precisamos ter o compromisso social acima de qualquer coisa. Precisamos dialogar com esses grupos em vulnerabilidade e promover de alguma forma a ascensão dessas pessoas para que elas tenham seus direitos garantidos’, destacou a Pró-reitora de Extensão e Cultura do IFPB, Maria José Batista.

Antes da palestra de abertura, o evento ainda contou com as falas do Coordenador do Comitê Gestor da Igualdade de Gênero, Raça e Diversidade, juiz André Machado, e do presidente do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de João Pessoa (Sintur-JP), Isaac Júnior. O Sintur oferecerá cartões de passagem para que as alunas possam assistir às aulas sem custos de transporte.

A professora da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Patrícia Rosas, emocionou todos as pessoas presentes com a palestra “Do Lixão à Catedra: Como Transformar a Adversidade em Superação”. Com um relato de vida forte, ela contou um pouco sobre a infância em um lixão de Campina Grande, dos 5 aos 14 anos, junto com os pais e os 9 irmãos, e sobre o potencial transformador da educação. 

Para a professora da UFPB, exercer o magistério era sinônimo de cheirar bem. “Eu tive uma professora que ficava na porta abraçando os alunos que entravam na sala de aula e eu não queria ser abraçada porque eu fedia, eu tinha vergonha, e eu ia para o final da fila. Mas ninguém entrava se não fosse abraçado por ela e, quando chegava a minha vez, eu segurava na cintura da professora e sentia o perfume dela e eu dizia: eu quero ser professora porque eu quero ter esse cheiro. Eu acreditava que ser professora era ter um bom perfume”. 

Ganhadora do Prêmio LED - Luz na Educação, com um projeto de leitura e escrita, e três vezes finalista do Prêmio Jabuti, Patrícia Rosas dividiu com os presentes muito mais do que a sua história, mas uma lição de superação e coragem. “Eu poderia ter dado errado, mas sabe por que isso não aconteceu? Porque um dia eu encontrei alguém que estendeu a mão para mim. A minha professora que me abraçou quando eu fedia. Vocês hoje estão tendo a oportunidade de ter um TRT estendendo a mão para vocês. Sabe o que eu faria com essa oportunidade? Eu faria a minha vida gigante”, declarou.

Veja outras imagens da abertura da segunda edição do Empregabilidade na Diversidade: 

Empregabilidade na Diversidade-02.jpg

Empregabilidade na Diversidade-51.jpg

Empregabilidade na Diversidade-08.jpg

Renata Santos
Assessoria de Comunicação Social TRT-13

 

registrado em: