Você está aqui: Página Inicial > Comunicação Social > Notícias > 2020 > 04 > Abril Verde: a utilização correta dos EPIs obrigatórios pelos profissionais de saúde

Notícias

Abril Verde: a utilização correta dos EPIs obrigatórios pelos profissionais de saúde

Confira artigo do engenheiro de segurança no trabalho Luiz Antonio de Souza do TRT/RJ”

Ações do documento

publicado: 17/04/2020 10h22 última modificação: 17/04/2020 10h35

O movimento “Abril Verde” promove todo ano uma série de iniciativas com o intuito de chamar a atenção da sociedade para a importância de prevenir os acidentes de trabalho e doenças ocupacionais. Este ano, as ações da campanha na Justiça do Trabalho estão voltadas para a necessidade de garantir um ambiente de trabalho seguro diante da pandemia do coronavírus. Assim como o Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT/RJ) O Tribunal do Trabalho da Paraíba (13ª Região) divulga o artigo do engenheiro de Segurança no Trabalho do TRT/RJ Luiz Antonio de Souza. Confira: 

 

- Como utilizar corretamente os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs)

“Inspirados pelo tema deste Abril Verde -  “Construção do trabalho seguro e decente em tempos de crise: prevenção de acidentes e de doenças ocupacionais” - vale lembrar que uma das formas de evitar o desenvolvimento de doenças relacionadas ao trabalho é utilizando Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). É obrigação do empregador fornecer os EPIs adequados para os riscos presentes no ambiente de trabalho e também fornecer o treinamento para o uso adequado desses equipamentos.

No contexto da pandemia de covid-19, observamos a importância do cumprimento de regras de segurança do trabalho para evitar o adoecimento do trabalhador da área de saúde. A proteção passa por ter os EPIs adequados, saber usá-los e inclusive saber retirá-los para não se contaminar nesse procedimento; além de executar todos os procedimentos de forma rigorosa e conforme os treinamentos quando estiver em campo.

Vejamos EPIs utilizados por profissionais de saúde que atendem pessoas com diagnóstico suspeito ou confirmado de covid-19:
 

- Máscara Cirúrgica (descartável)

Para proteção contra a inalação de patógenos trasmitidos por gotículas. Usada pelos profissionais na triagem e atendimento dos pacientes e também pelos próprios pacientes contaminados ou com suspeita de contaminação por covid-19 a fim de evitar a transmissão da doença para os profissionais de saúde

 Máscara cirúrgica

Máscara N95[1] ou PFF2[2] 

Para proteção contra a inalação de patógenos transmitidos por aerossóis. Deverá ser utilizada preferencialmente por profissionais de saúde ao realizar procedimentos que possam gerar aerossóis, tais como intubação ou aspiração traqueal, ventilação mecânica não invasiva, ressuscitação cardiopulmonar, ventilação manual antes da intubação, coletas de amostras nasotraqueais, broncoscopias, etc. A PFF2 ou N95 pode ser reutilizada pelo mesmo usuário enquanto permanecer em boas condições de uso (com vedação aceitável e tirantes elásticos íntegros) e não estiver suja ou contaminada por fluidos corpóreos. O manuseio inadequado, entretanto, pode transportar patógenos da superfície externa do filtro para a parte interna, reduzindo a vida útil. A máscara deve ser guardada em embalagem individual não hermética, de forma a permitir a saída da umidade.

 Máscara N95

Luva para Procedimentos Não Cirúrgicos (luva não estéril)

Produto feito de borracha natural, de borracha sintética, de misturas de borracha natural e sintética, e de policloreto de vinila, de uso único, para utilização em procedimentos não cirúrgicos para assistência à saúde.

 Luva

Óculos de proteção e “Face Shield”

Equipamentos destinados a proteção dos olhos, evitando que gotículas, secreções e outros líquidos atinjam a mucosa ocular.

 Óculos de proteção

Avental descartável

Avental de mangas longas, em polipropileno, de uso único, para proteção à exposição de sangue, secreções e outros líquidos corporais.

 Avental

Gorro descartável  

No atendimento a pacientes confirmados ou suspeitos de covid-19 o uso do gorro ou touca é indicado sempre que o profissional for realizar procedimentos capazes de produzir aerossóis.

 Gorro

[1] A máscara conhecida como N95 refere-se a uma classificação de filtro para aerossóis adotados nos EUA e equivale, no Brasil, à PFF2 ambos apresentam o mesmo nível de proteção. A PFF2 é usada também para proteção contra outros materiais particulados, como poeiras, névoas e fumos, encontrados nos ambientes de trabalho das áreas agrícola e industrial.

[2] PFF: Peça Facial Filtrante - PFF2 – Possui eficiência mínima de 94%

Luiz Antonio de Souza

 engenheiro de Segurança do Trabalho do TRT/RJ