Você está aqui: Página Inicial > Comunicação Social > Notícias > 2021 > 06 > Transformação Digital: Presidente do TRT-13 visita Coordenadoria de Material e Patrimônio

Notícias

Transformação Digital: Presidente do TRT-13 visita Coordenadoria de Material e Patrimônio

Setor foi escolhido para ser o primeiro a receber a iniciativa

Ações do documento

publicado: 02/06/2021 18h17 última modificação: 05/06/2021 13h03

O presidente do Tribunal Regional do Trabalho da Paraíba (13ª Região), desembargador Leonardo Trajano, visitou, nesta quarta-feira (2), a Coordenadoria de Material e Patrimônio (CMP) para dar início, oficialmente, ao projeto Transformação Digital. A iniciativa tem o objetivo de promover a racionalização da força de trabalho do TRT-13 por meio do desenvolvimento de soluções inovadoras e tecnológicas.

Ao longo de seis semanas, haverá uma imersão nas atividades desenvolvidas pelos servidores da CMP para diagnóstico e elaboração de propostas de soluções para os principais gargalos e desafios enfrentados no dia a dia de trabalho no local. Além da colaboração dos servidores e gestores do setor, o projeto conta com uma equipe técnica composta por desenvolvedores da Setic, representantes do Comitê Inova TRT-13 e do Laboratório de Inovação.

Durante a visita, o presidente do Tribunal afirmou que a expectativa é que o projeto traga bons frutos. “Será possível identificar e encontrar soluções para tornar o trabalho mais eficiente, prático e menos penoso. O que vemos hoje é uma movimentação das grandes corporações para comprar startups, verificar onde precisam avançar e resolver os problemas. O Comitê de Inovação e o Laboratório de Inovação têm, também, essa finalidade”, destacou.

Por sua vez, o coordenador da CMP, Weberte Araújo, frisou que grande parte da equipe já pode ou está próxima de se aposentar, situação que representa um potencial de impacto no desenvolvimento das atividades do setor. “A identificação do cenário e envolvimento da equipe, junto com a automatização de tarefas e o incentivo à utilização de ferramentas tecnológicas já existentes, contribuem para a otimização do fluxo de atividades. Além disso, colaboram para melhor desempenho, planejamento e moderniza os procedimentos, trazendo inovação, mudança de clima e quebra de paradigmas para o Tribunal”, enfatizou.

 

Acompanhamento

O diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e da Comunicação (Setic), Rodrigo Cartaxo, comentou que havia um receio no tocante à resistência da equipe da unidade com a chegada do projeto. “Pensamos que eles poderiam estar com medo de a gente chegar aqui e querer mudar a forma como eles trabalham, mas as pessoas estão bem abertas ao projeto, já que tem o intuito de tornar o processo mais simples e fácil”, salientou.

O trabalho inicial, de conversa com o coordenador do setor para ter maior compreensão acerca dos macro processos já começou, segundo relatou o gestor do projeto, Marcelo Machado. Agora, terá início a fase de conversas individuais com os servidores da unidade, para que eles possam compartilhar as dificuldades que enxergam no cotidiano de trabalho.

“Faremos uma interseção entre as informações. O ápice desse momento de levantamento dos principais gargalos será com a oficina, que será realizada na próxima semana e que contará com a participação da maioria dos servidores para discutir sobre os problemas relatados para consolidarmos o diagnóstico. Estamos aqui quase todos os dias para levantar o máximo de informações possíveis. Em seguida, faremos a imersão para perceber, na prática, como podemos contribuir e, com base nisso e na oficina de problemas, faremos a oficina de soluções”, explicou.

O cronograma de execução do Transformação Digital em cada setor é de dois meses. Neste período, a equipe do projeto pretende identificar os principais desafios enfrentados e propor soluções, com foco na otimização da força de trabalho. As soluções podem envolver automação, alterações de processos ou produtos/serviços.

As unidades que receberão o projeto já foram selecionadas e indicadas pela Administração do Tribunal, que usou, entre os critérios de priorização, a quantidade de rotinas manuais, a criticidade das atividades e o total de servidores ativos.



 

Celina Modesto

Comunicação Social TRT-13