Você está aqui: Página Inicial > Institucional > Escola Judicial - EJUD > Agenda de Cursos e Eventos > Colóquio: Crescimento Econômico, Desigualdade e Mercado de Trabalho: Insights a partir das Trajetórias do Brasil e da Índia

Colóquio: Crescimento Econômico, Desigualdade e Mercado de Trabalho: Insights a partir das Trajetórias do Brasil e da Índia

Ações do documento

O objetivo é discutir aspectos socioeconômicos e laborais das realidades existentes nos países do Brasil e da Índia, por meio de um colóquio envolvendo seis palestrantes, com público estimado em 80 participantes, congregando magistrados e servidores, proporcionando um local de discussão e troca de experiências.
Quando
02/10/2017
de 09h00 até 17h00
(America/Fortaleza / UTC-300)
Onde
Auditório da Escola Judicial (Centro do Saber e da Cultura do TR13)
Pessoa de contato
Ronaldo Farias
Participantes
Magistrados e servidores
Adicionar evento ao calendário
iCal

A Escola Judicial do TRT da 13ª Região realizará o colóquio “Regimes de Crescimento, Desigualdade e Mercado de Trabalho: Insights a partir das Trajetórias do Brasil e da Índia”, visando discutir aspectos socioeconômicos e judiciários, abordando o aspecto trabalhista, das realidades existentes nos países do Brasil e da Índia.

No evento, pretende-se abordar as trajetórias de desenvolvimento da Índia e do Brasil, as quais são, sob determinados aspectos, imagens invertidas. Enquanto as taxas de crescimento e a desigualdade estiveram em alta no Brasil até 1980 e passaram então a declinar (primeiramente o crescimento declinou nos anos 80, e posteriormente a desigualdade), o inverso ocorreu na Índia.

A justificativa para tal diferença se dá pela natureza do crescimento de cada país como um todo, incluindo as estruturas econômicas, organizações do mercado de trabalho, sistemas agrários, padrões de integração internacional, relações monetárias e fiscais e o papel do Estado. Observando-se os aspectos trabalhistas e de mercado de trabalho, as segregações e segmentações do mercado desempenham um papel importante nos níveis de desigualdade regional e social em ambos os países. Isso é em parte uma questão relacionada à diferença de renda entre o emprego formal e informal, mas também há grandes variações nos salários, segurança no emprego, proteção e vulnerabilidade no trabalho formal e informal. Os mercados de trabalho são segmentados por sexo, casta, raça e outras linhas divisórias, o que dá origem a padrões complexos de desigualdade e exclusão.

Consideramos, portanto, que, em um cenário de mudanças previdenciárias e trabalhistas, a discussão comparativa entre os dois países possibilitará uma oportunidade única aos magistrados e servidores deste Regional de ampliar sua visão crítica a respeito do impacto do novo padrão de regulamentação e configuração das relações de trabalho em diferentes variáveis do crescimento econômico e da desigualdade social do país, refletindo sobre o papel social e econômico da atuação jurisdicional.